Rome S1

rome.jpg

“Estamos no ano 50 antes de Cristo. Toda a Gália foi ocupada pelos romanos… Toda? Não! Uma aldeia povoada por irredutíveis gauleses ainda resiste ao invasor. E a vida não é nada fácil para as guarnições de legionários romanos nos campos fortificados de Babaorum, Aquarium, Laudanum e Petibonum…

Ah, não, espera. Esta é outra história.

As civilizações clássicas sempre foram um suplício para mim. Gregos e romanos, as suas batalhas e sucessões, colunas e frontões dão-me cabo da paciência. Daí a razão de não estar minimamente com vontade de pegar nesta hiper-recomendada série. Por esta razão ficou guardada na pasta durante quase um ano, e só por um mero acaso (ou melhor, falta de opção de outra série para começar) encontrou o portátil.

E bom, que grande surpresa que foi. Uma série excelente, recheada de acção, grandes actuações e excelentes reconstruções históricas. Mesmo sem conhecer grande parte do contexto histórico (ou, quem sabe, talvez por não conhecê-lo) dá para apreciar a série e, ao mesmo tempo, aprender um pouco mais da história de Roma.

A queda da República e emergência do Império Romano são-nos mostrados pelos olhos de dois soldados da legião romana, Lucius Vorenus (Kevin McKidd) e Titus Pullo (Ray Stevenson). Da vitória final de Júlio César (Ciaran Hinds) sobre os gauleses ao seu regresso a Roma, na tentativa de combater as vozes do descontentamento do Senado, sem esquecer a ida ao Egipto, ao encontro de Cleópatra, nada foi deixado ao acaso nesta série. E mesmo sabendo de antemão como irá decorrer o assassinato de César, não deixa de ser um dos pontos altos da temporada.

Mas nem só de personagens históricas como Júlio César, Octávio ou Marco António é feita esta série. Por entre os jogos políticos é-nos também dada a oportunidade de conhecer um pouco a vida dos cidadãos romanos na época, fossem estes da classe dominante (como a família Octávio, com a excelente interpretação de Polly Walker no papel de Atia of the Julii), como das classes mais baixas.

E no final destes 12 episódios que constituem a primeira temporada, apenas se fica com vontade de ver mais desta série. Ver as consequências do assassinato de César, qual o próximo passo da família Octávio e do Senado. E, já agora, o que vai suceder ao muito interessante Marco António (James Purefoy).

Razões menos fúteis à parte, a segunda temporada de Rome promete muito, e já vem a caminho.

Anúncios