My Name Is Earl S1

wallpaper01_1280.jpg

Se há série pela qual não dava nada, era este My Name Is Earl. Salvo algumas excepções, as melhores comédias encontram-se deste lado do oceano, e à primeira vista uma comédia sobre parolos americanos não chama muito a atenção.

Excepto que esta é uma grande comédia de costumes, onde os tais parolos americanos se dedicam a gozar com a cultura popular americana e, por consequência, com a de todo o mundo.

Earl Hickey (Jason Lee) é um falhado que dorme de dia, rouba de noite e acaba sempre metido em embrulhadas até ao dia em que lhe sai a sorte grande e ganha cem mil dólares na lotaria. Infelizmente, tão depressa eles chegam quanto vão embora, e Earl perde o bilhete premiado depois de ser atropelado. Abandonado pela mulher Joy (Jaime Pressly) no hospital e forçado a mudar-se para a espelunca local, Earl decide pedir desculpa por todas as maldades que fez na vida. Munido com uma lista de 259 boas acções que vão desde pedir desculpa ao miúdo em quem batia na escola a pagar impostos e devolver todas as coisas que roubou, Earl vai aprender que, por vezes, o karma recompensa.

A ajudá-lo na sua missão, para além do relutante irmão mais novo Randy (Ethan Suplee), vão estar Catalina (Nadine Velazquez), a bomba latina do motel, Darnell (Eddie Steeples), o empregado do bar local e os vários amigos que vai reencontrando ao longo das suas missões. Infelizmente, quem não se esquece dele é a ex-mulher, Joy, que vai continuar a atazanar-lhe a cabeça.

O que começa com um simples bilhete de lotaria transforma-se assim numa viagem pelos caminhos da sorte e da vida num qualquer parque de caravanas. Uma comédia a não perder.