Outcasts

Se há coisa que deixa qualquer um frustrado, é a capacidade que existe para esgotar histórias até à exaustão, para estragar uma série com inúmeros episódios desnecessários e tramas que nunca chegam a fazer sentido. Pão nosso de cada dia nas séries americanas, quando falamos em séries britânicas temos normalmente o prazer de ver séries curtas, com poucos episódios por temporada, mas que nos deixam, no final, com um sentimento de que todo o tempo investido valeu, realmente, a pena. E depois, é claro, temos “Outcasts“.

Com o lento, mas inevitável desaparecimento da ficção científica das nossas televisões, este novo projecto da BBC prometia animar um pouco quem é fã deste género televisivo. Contando com uma história há vários anos em desenvolvimento nos escritórios da BBC, com as paisagens maravilhosas da África do Sul a fazerem as vezes do planeta Carpathia, com alguns efeitos especiais interessantes e actores com qualidades reconhecidas no elenco, era de esperar que saísse daqui algo de bom. Infelizmente, o tiro saiu pela culatra e o que temos é uma série aborrecida, que nunca apresentou um rumo concreto para as suas trama, que deixa as personagens principais vaguearem de um lado para o outro sem grandes desenvolvimentos e que nunca se consegue afirmar.

Forthaven é uma colónia estabelecida no planeta Carpathia por humanos que fugiram da destruição nuclear do seu planeta. Situado a cinco anos de distância do planeta Terra, Carpathia tem uma população bastante variada, onde se incluem os “Expedicionários”, liderados por Mitchell (Jamie Bamber) e que parecem ser a antiga facção militar da expedição, os representantes civis, onde se encontram não só o presidente Richard Tate (Liam Cunnigham) mas também a chefe do Departamento de Segurança Stella Isen (Hermione Norris) e os (aparentemente) dois únicos polícias da zona Cass Cromwell (Daniel Mays) e Fleur Morgan (Amy Manson), bem como famílias em geral, com crianças pequenas a brincar descontraidamente por entre a areia da colónia. Há dez anos que a expedição se instalou neste planeta, e nesses dez anos nem tudo parece ter corrido de feição, especialmente no que a uma misteriosa doença diz respeito, doença essa que afectou várias crianças da expedição e que levou à tomada de medidas extremas.

Com uma premissa interessante, e vários mistérios lançados desde o primeiro minuto – estarão os colonos sozinhos neste planeta? Quem são os ACs, qual a sua relação com os Whiteouts, fenómenos meteorológicos estranhos que causam muitos danos, e com os Outros, os habitantes originais deste planeta? O que se passou na Terra e porque está Julius Berger (Eric Mabius) tão ansioso para tomar o controle da colónia? – “Outcasts” tinha tudo para vingar. Infelizmente o pior aconteceu. As tramas sem sentido sucedem-se; as personagens têm misteriosos diálogos sobre assuntos pouco concretos e que nunca chegam a ser esclarecidos, enquanto deambulam de um lado para o outro da colónia; a ameaça dos ACs e dos Outros, e mesmo a sua história passada nunca se concretiza, e o que sobra, ao fim dois oito longos – mas mesmo muito longos – episódios é a sensação de que se esteve a perder tempo e que não se chegou a lado nenhum.

Se as expectativas eram elevadas, especialmente para quem queria a ficção científica de volta ao ecrã, não foi, infelizmente, com “Outcasts”, que isso se concretizou. O cancelamento não foi, por isso, de estranhar, restando apenas a esperança de que melhores tempos venham para este género televisivo tão discriminado…

Anúncios