Episodes S1

“Rir é o melhor remédio.” Não haverá, certamente, ninguém que discorde desta expressão. Quando o stress do dia-a-dia se impõe, quando tudo parece correr mal, uma boa gargalhada é sem dúvida aquilo que mais nos consegue animar. Mas se rir é a melhor opção, a capacidade de rirmos de nós próprios não é para todos. Afinal, rir dos outros é mais simples do que identificar as nossas próprias falhas. Felizmente há quem não tenha este problema e aposte mesmo a sua carreira em divertir os outros gozando de si próprio. E é por isso que a nova estreia da Showtime, “Episodes”, foi uma boa surpresa na mid-season americana.

As aventuras (e desventuras) de Sean (Stephen Mangan) e Bev (Tamsin Greig), um casal de produtores britânicos que é contratado para adaptar a sua série de sucesso ao mercado americano, podem ter sido curtas para os padrões normais americanos, com uma temporada de apenas sete episódios, mas conseguiram trazer uma lufada de ar fresco às típicas comédias que do outro lado do oceano chegam graças não só a boas interpretações, argumentos sólidos, muitas situações inusitadas e cenas divertidas, mas também a uma ligação bem forte ao mundo real do desenvolvimento de séries actual nos Estados Unidos.

Recheada de personagens que parecem, de início, não ser mais do que estereótipos mas que, lentamente, se vão revelando, como é o caso de Carol (Kathleen Rose Perkins), que mostra uma profundidade muito inesperada a meio da temporada, e de outras que nos deixam sem saber o que pensar e como os classificar, como é o caso do protagonista Matt LeBlanc, que mostra aqui estar disposto a usar a sua própria vida e experiências pessoais para nos dar uma visão do que é o “verdadeiro” mundo de Holywood e que consegue quase fazer esquecer a personagem idiota de “Friends”, é sem dúvida a forma como a temporada parodia o mundo da televisão americano que mais cativa. A cada episódio, a cada cena, a cada concessão que os dois produtores tinham de fazer à sua história original devido a pressões do estúdio, desde alterar o título e a trama e mesmo a contratar um actor pouco ou nada indicado para o papel principal, identificamos todas as dúvidas, incertezas e desilusões que temos quando vemos a nossa série favorita percorrer o doloroso caminho das adaptações americanas, especialmente numa época em que os remakes insistem em não desaparecer. E se a comédia está garantida com a ajuda de personagens como Marc Lapidus (John Pankow) que, embora não saia do registo de caricatura, consegue mesmo assim ter deixas memoráveis, é também nos momentos mais sérios, como numa interessante conversa/batalha entre Bev e Matt e, mais tarde, entre Matt e Sean, que a série prova que mesmo dentro das comédias mais ou menos inusitadas, é ainda possível inserir cenas que nos fazem pensar.

Com a renovação já garantida, é com grande prazer que se espera por mais aventuras de Bev, Sean e Matt, nesta britcom tão americana.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s