Quantum Leap S1

quantum.jpg

Por muito que goste de séries novas que surpreendam, que deixam agarradas ao ecrã, há aquelas que merecem ser revistas, nem que seja apenas pela nostalgia.

Esta é uma daquelas séries que mais me fascinaram há anos atrás. A música, as personagens, algumas das situações ou frases ficaram guardadas na memória, e regressavam de vez em quando, quando menos esperava.

Quantum Leap não é uma série brilhante: o tema não é original (viajar no tempo não é, afinal, um conceito novo); os efeitos especiais, na altura provavelmente do melhor que se fazia, tornam-se quase irreais nos tempos que correm; as histórias pseudo-moralistas, tão típicas das séries desta época, onde os maus são sempre castigados e o bem prevalece, tornam-se difíceis de engolir nos dias de hoje.

Mas tudo isso se esquece quando se tem a oportunidade de rever Sam Becket, Al e o indispensável Ziggy nos seus saltos pelo tempo. Afinal, não é todos os dias que se vê um Scott Bakula novinho, ou um Dean Stockwell orgulhosamente envergando roupa futurista (ou, pelo menos, o que passava por futurista em 1989) ;P

Uma série para relembrar os bons velhos tempos.