The Deep

O que temos quando juntamos uma premissa inteligente, actores de renome e um canal que já nos habituou a grandes marcos televisivos? Provavelmente não o que esperávamos quando olhamos para este “The Deep“.

Sejamos justos: a série não é assim tão má. Não obstante os enormes buracos de argumento por onde poderíamos fazer passar o submarino russo que os nossos heróis encontram no fundo do Oceano Árctico, os diálogos insípidos e forçados que mais parecem discursos dirigidos ao espectador, o technobabble sem sentido que deixa qualquer série de “Star Trek” envergonhada e as personagens que insistem em morrer, ressuscitar – ninguém sabe muito bem como – para prontamente morrer outra vez, ainda conseguimos encontrar alguns elementos positivos. Mesmo com pouco tempo de antena, a Svetlana (Vera Filatova) e o Vincent (Sasha Dawhan) até conseguem ser personagens interessantes, e o destino de Arkady (Tom Wlaschiha), lá para o final da história, ainda nos deixa com alguma expectativa. E se a história em si se arrasta lentamente ao longo dos cinco episódios, a verdade é que ainda há algumas cenas digna de nota (por boas razões), como o final do episódio piloto “To The Furthest Place” ou as reviravoltas de “Ghosts of the Deep“, tanto na terra como no fundo do oceano. O problema… o problema é tudo o que fica no meio.

Mas voltemos ao início: a trama em si. A bordo do submarino Orpheus, um grupo de oceanógrafos inicia uma missão ao fundo do Oceano Ártico em busca de um combustível biológico que poderá vir a revolucionar o mundo. No comando da missão Frances (Minnie Driver) e Samson (Goran Visnjic) alternam entre prestar atenção ao que se passa dentro do submarino e discutir o romance proibido entre os dois, enquanto Clem (James Nesbitt) se preocupa mais em tentar descobrir o que aconteceu à sua mulher Catherine (Orla Brady), que desapareceu sem deixar rasto com a última expedição, do que em reparar o submarino quando este se estraga. Para além deste trio e de mais três cientistas que não interessam muito para o caso (ou seja, pouco mais são do que carne para canhão), temos ainda o misterioso e sinistro Raymond (Tobias Menzies) que não parece nada interessado em desvendar o mistério da expedição Hermes mas apenas preocupado em fazer o que os seus patrões – os homens do dinheiro – querem. Quando o Orpheu começa a falhar, a salvação poderá ser um submarino russo que, ao que tudo indica, está abandonado. Mas, como não podia deixar de ser, nada é o que parece à primeira vista, e em solo russo as coisas vão complicar-se com a descoberta de vários corpos e de alguns sobreviventes com cara de poucos amigos.

Se dentro de água a situação parece complicada, na terra as coisas não andam melhores. Em casa de Clem e Catherine, a filha do casal e a sua avó estão a ser vigiadas por alguém que procura destruir todos os dados da investigação de Catherine, e na estação internacional de monitorização do Ártico há facadas nas costas a torto e a direito, com revelações espantosas a chegarem tanto da parte de Lowe (Nigel Whitmey) como de Hatsuto (Dan Li), numa jogada tão surpreendente que nem mesmo o melhor agente secreto ao serviço de sua majestade teria conseguido compreender bem.

Muitas reviravoltas (e muitos revirares de olhos também) depois, quando finalmente chegamos ao último e ridículo capítulo desta história (que pareceu longa, muito longa, mas teve apenas cinco episódios) ominosamente intitulado “The Last Breath“, a certeza que fica é que haveria aqui uma história para contar, que o ambiente criado até era interessante e que os actores poderiam, certamente, ter dado muito, muito mais, mas que a aposta, desta vez, não foi ganha e “The Deep” não irá entrar para a história da BBC.

Anúncios

2 thoughts on “The Deep

  1. Também me desiludiu bastante. O primeiro episódio ainda me deixou na expectativa, mas quando a história se começou a desenvolver foi uma desilusão tremenda. Estava à espera que fosse algo a ver com scifi e no fim saiu uma amostra de amostra de thriller (o duplo “amostra” é intencional). Enfim… a cena mais estúpida de todas, se é que me recordo bem, foi….

    SPOILERS
    SPOILERS
    SPOILERS
    SPOILERS
    SPOILERS

    quando o Clem fica dado como morto depois de um enorme acto de heroísmo (regresso esse cliché e completamente previsível) e depois morre logo de seguida duma forma completamente estúpida e banal. Errr… brain freeze…

    • Pois, é que foi mesmo uma desilusão. E pior, um desperdício de bons actores. 😦

      Espero que Outcasts não desiluda este verão. Pelo trailer parece ser bom, mas já se sabe que estas coisas dos trailers não são de confiar… .s

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s