Reaper S1

reaper.jpg

Don’t fear the Reaper

Qual o pior despertar do mundo? Certamente o de Sam Oliver (Bret Harrison), quando descobre que os pais venderam a sua alma ao diabo. E agora que chegou a altura de pagar, a vida de Sam nunca mais poderá ser a mesma: de empregado de loja a ceifador de vidas em part-time, Sam vai ter de esconder da sua família e da namorada que gostaria de ter, Andi (Missy Peregrym), o seu verdadeiro papel nesta história. Felizmente conta com a ajuda preciosa dos melhores amigos Sock (Tyler Labine) e Ben (Rick Gonzalez) para procurar as perigosas almas que fugiram do Inferno e estão a causar morte e destruição na Terra.

Num ano que não foi muito prolífico em boas séries, Reaper até tinha uma história interessante. Infelizmente, de original não tem nada, acabando por revelar-se uma mescla de Dead Like Me e Chuck, que não se consegue distinguir. A história do empregado falhado que quer conquistar a menina bonita é por demais batida, com a devida ressalva de que desta vez torcemos para que a relação morra de início, tal é a falta de química entre as personagens. A presença humorística dos melhores amigos, com os seus diálogos rápidos e homenagens à cultura popular é por vezes o único ponto positivo da série, especialmente quando põe em cena o excelente Sock, mas não sendo o foco principal, acaba por ser ultrapassada pelas missões de Sam, que caem invariavelmente na rotina de “recebe missão – encontra o vilão – leva porrada – derrota o vilão no último segundo”.

Mesmo com a presença divertida de Ray Wise como o Diabo mais bronzeado de sempre e de Christine Willes como o terrível demónio da Direcção Geral de Viação, Gladys, ao final de nove episódios a série continua a não mostrar serviço. Quase parece descriminação, mas ainda não é à terceira que uma série da CW convence.

Anúncios

7 thoughts on “Reaper S1

  1. Chuck é mto mais fixe do que Reaper dentro do estilo.
    Reaper dá-me sono – acho que não consegui ver com atenção nenhum episódio.

    Navezitas? peço perdão, mas eu não gosto de navezitas – gosto de navezonas como Galactica, Pegasus, Voyager, etc etc etc…

  2. Não sei se chegaste a ver todos, mas se não, e não tiveres mais nada pra ver [pois! :)))], experimenta a ver o episódio 8 (The Cop) que é o único digno de ser chamado “muito bom”. Tem cenas entre o Sock e a Galdys hilariantes!

  3. Espero que esta série consiga aguentar-se pelo menos por uma 2ª temporada completa.

    Para mim uma das surpresas deste ano, esta muito boa série não esteve nos meus “planos de visionamento” iniciais, quando começou a temporada 2007/2008 porque a ideia parecia-me muito má, tal como Pushing Daisies (série que também não vi quando decorria). Mas após ter sido conquistado pelo episódio piloto, vi a inteira 1ª temporada de 18 episódios e não me desiludi. Claro que houve falhas, principalmente no que toca aos efeitos especiais, mas esta é uma falha compreensível até porque no canal onde se encontra a série não se pode dar a gigantes luxos; mas os efeitos melhoram bastante para o meio/final da temporada. Agora, aquela história do Ben casar-se foi um bocado desnecessária, mas percebe-se o motivo, que terá sido (digo eu… 🙄 ) dar mais relevo à personagem, uma vez que Sam já tem protagonismo por ser o protagonista e também porque “Sock steals the show!” 😆

    O tema foi bem abordado, de uma prespectiva mais leve que por exemplo Buffy e Angel (pelo menos do pouco que vi destas séries, pois não gosto de nenhuma). Os artefactos que ele usa para capturar as almas que escaparam do inferno são sempre originais e à primeira vista inúteis, mas que se acabam por revelar essenciais e até engraçados 🙂
    Confesso que nos episódios iniciais não gostava muito da forma como o Sam e Companhia capturavam as almas. Nos episódios iniciais era mais acerca do “como chegar à alma” e menos o “capturar a alma” propriamente dito, mas com o decorrer da série, lá mais para o meio os episódios começam a ter a dose certa de acção (com muita comédia como é óbvio).
    Ainda por cima a temporada acaba com um simples mas entusiasmante cliffhanger. Afinal quem/o que é o (suposto?) pai de Sam?

    Enfim, uma série, na minha opinião, a não perder (assim como Pushing Daisies e Chuck). 😛

    in CantinhodaTV por DNL (http://cantinhodatv.diskoballs.org/viewtopic.php?p=37219#37219)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s