Heroes S2

group_of_twelve.jpg

Oh, how the mighty have fallen!

Não é fácil cruzar as fronteiras dos géneros, adaptar universos tão intimamente ligados a um media, com particularidades próprias, e usá-los para contar histórias clássicas. É especialmente difícil manter os fãs originais quando se tenta fazê-lo, respeitando os seus gostos mas conseguindo, ao mesmo tempo, alcançar novos públicos. E se este segundo volume (temporada?) de Heroes provou algo, é que os heróis também têm pés de barro, e podem cair do alto do seu pedestal. Dentro e fora da história.

Quatro meses depois de How to Stop an Exploding Man, tenta-se ainda lidar com o resultado das tragédias recentes. Novos heróis continuam a surgir em todos os cantos do globo, mas uma doença que ataca o seu metabolismo poderá acabar com a prevista evolução da humanidade, a não ser que Mohinder (Sendhil Ramamurthy) consiga encontrar uma cura. Mas enquanto alguns procuram o bem da humanidade, há segredos escondidos que começam agora a ser revelados, e que poderão pô-la em perigo. Alguém anda a matar os Doze, e esse alguém poderá ser o próximo pior pesadelo. Quem é assassino? Quais os seus poderes? Qual a ligação entre os heróis e os Doze? Qual o papel da Mrs. Petrelli (Cristine Rose) em toda esta história?

Do Japão feudal com Hiro (Masi Oka) e Kenzei (David Anders) à da Irlanda actual com Peter (Milo Ventimiglia); de Nova Iorque com Nathan (Adrian Pasdar) e Matt (Greg Grunberg) à Califórnia, com Claire (Hayden Panettiere) e Noah Bennet (Jack Coleman); das Honduras ao México, de Nova Orléans ao Texas, novos e velhos heróis vão ver-se confrontados com dilemas que os irão chamar, novamente, até Nova Iorque e Odessa para um novo conflito final.

Depois de um excitante primeiro capítulo, esperava-se mais, muito mais deste segundo volume, Generations. A homenagem a grandes histórias de BD como a conspiração de Watchmen e o Legacy Virus dos X-Men, prometia elevar o Heroes a um novo nível, trazendo consigo os clássicos do drama, suspense e acção, mas o resultado ficou longe do esperado; em vez disso, apresentou-se uma história desconexa, onde nada realmente acontece, onde se corre, sem sentido, de um lado para o outro, onde as histórias e os dilemas se repetem ad infinitum, e onde as repercussões são inexistentes. No fundo, o que este segundo volume fez, foi pegar no pior que a banda desenhada tem para oferecer, e expô-lo a todos. E se os fãs de banda desenhada são pacientes, já acostumados às particularidades do género, o mundo da televisão é bem mais implacável, e os seus fãs muito mais impacientes.

Se a evolução de algumas personagens e dos seus poderes é interessante, e a adição de novos heróis como Elle (Kristen Bell) trouxe alguns bons momentos, a pressão de gerir um elenco grande teve consequências graves para a evolução da história, onde as reviravoltas se sucedem e onde nunca se consegue saber de que lado estão as personagens. Num momento do lado dos anjos, depois do lado dos demónios, Bob (Stephen Tobolowsky) passa de misterioso a malévolo a simpático a preocupado e regressa a misterioso com uma rapidez irritante. Parece ser ele que está por detrás do grande Plano, embora o que esse plano foi, é e poderá ser nunca é bem explicado – fica o mistério para os próximos capítulos.

Certezas temos algumas: nunca ninguém morre verdadeiramente; os vilões nunca serão verdadeiramente derrotados; os bons irão continuar amargurados; as grandes corporações são malévolas; a moral é ambígua. Ah, e o Peter fica bem sem camisa. Resta a esperança que os escritores se dediquem a descobrir mais sobre o género sobre o qual resolveram escrever, que confirmem haver muito mais do que estes clichés no maravilhoso mundo dos comics, e que Heroes regresse aos bons velhos tempos. Que este volume sirva como o seu seu próprio Cautionary Tale.

Anúncios

10 thoughts on “Heroes S2

  1. Heroes foi uma grande decepção nessa temporada. Desde o início a série já contava com inúmeros furos de roteiro e vários episódios medianos, mas no geral a primeira temporada foi uma ótima diversão. Já na segunda os roteirstas enfiaram o pé na jaca e errarram em praticamente tudo! Sério fazia tempo que eu não via uma série cometer tantos erros ao mesmo tempo. Se ainda fosse por causa de uma mudança drástica na equipe (como em GIlmore Girls) eu até entenderia, mas não, eles simplesmente foram muito ruins nessa temporda. E acho que o TIm Kring devia contratar novos roteiristas o mais rápido possível, de verdade. Porque esses com certeza não estão dando conta do recado e com isso estão desperdiçando uma premissa incrível.

  2. Eu acho que o Tim Kring precisa apostar em histórias melhores. Tem uma boa premissa, tem grandes autores (como Jeph Loeb) a ajudarem-no, falta é coragem para fazer algo de diferente, algo que tenha impacto.
    Mas enfim, mesmo com tantos erros, tantas hesitações e tantos dilemas, continuo confiante para o terceiro volume.

  3. Concordo plenamente contigo. Acho que o Tim Kring precisa é de arranjer um verdadeiro par deles. Uma das cenas que mais me decepcionou foi não terem tido a coragem de explodir New York.

  4. Foi pena o heroes terminar quando se estava a tornar realmente interessante eu gostei bastante dos últimos episódios.

    Questiono-me com sangues milagrosos e viagens no tempo quais as desculpas que vão dar para manter os personagens mortos, o que aconteceu com o pai do hiro não vai dar para repetir sempre.

    Gostei que o Adam não morresse porque gostei da personagem e não foi totalmente aproveitada devido ao rápido desfecho. Sim eua credito que ele vai voltar.

    Para quando uma verdadeira luta entre Sylar e Peter? Claro que é bom que quando isso aconteça o Peter já saiba usar melhor os seus poderes como a sua versão do futuro com a cicatriz (que nunca percebi porque a tinha se era capaz de regenerar).

    Já disse isto noutro blog e repito porque é que o Peter arranca a porta do cofre com a telequinésia se ele é capaz de atravessar paredes?

    concluindo venha o terceiro volume que pelo menos já tem um título apelativo 🙂

  5. Ó _loot_, então não é óbvio? É mais divertido arrancar a porta do cofre, além de que demora muito mais tempo, e permite às restantes personagens conseguirem chegar ao pé de ti a tempo de fingirem que lutam e finalmente convencerem-te que estavas enganado este tempo todo, que tens de impedir o verdadeiro vilão de destruir o mundo.
    Isto fez-me lembrar aquele lindo cliché em que o grande vilão, em vez de dar um tiro ao herói, divaga sobre os motivos que o levam a ser uma personagem incompreendida, dando tempo ao herói de se soltar, lhe dar uma tareia, e desactivar a bomba 3/2 ou 1 segundo antes desta explodir. 😉

  6. Continua a votar nos melhores filmes de 2007 em http://www.blogoris.blogspot.com.
    Escolhe os doze que vão estar presentes na votação final de melhor filme do ano.
    10 dos finalistas já são conhecidos:
    Melhor filme de Janeiro – Blood Diamond
    Melhor filme de Fevereiro – Tenacious D – Pick of destiny
    Melhor filme de Março – The Fountain
    Melhor filme de Abril – 300
    Melhor filme de Maio – Zodiac
    Melhor filme de Junho – Die Hard 4.0
    Melhor filme de Julho – Simpsons – The movie
    Melhor filme de Agosto – Disturbia
    Melhor filme de Setembro – Hairspray
    Melhor filme de Outubro – Planet Terror
    Melhor filme de Novembro – ?
    Melhor filme de Dezembro – ?

    Para melhor filme de Novembro os grandes candidatos são Beowulf e American Gangster , mas Control e Eastern Promises prometem dar luta . Paranoid Park corre por fora e pode ser uma grande surpresa.

    (quanto a herois…sem duvida que esta temporada ficou aquem da anterior MAS o ultimo episodio foi bastante superior ao ultimo episodio do I volume)

  7. Pingback: MyHeroes » Heroes S2

  8. O grande problema deste tipo de series é darem apenas uma vez por semana e isto tras consequencias como a perda de intresse pela serie a perda de promenores importantes entre outras coisas. Em resposta a algumas questoes que foram aki levantadas o peter do futuro nao tinha regeneraçao porke nunca tinha conhecido a clair e em relaçao a ele atraveçar as paredes no dia da bomba peter esteve perto do pai de maica logo absorveu lhe os poderes tanto este poder como outros podem estar ocultados na sub consiencia de peter. Tentem ter mais atençao à serie e evitem comentarios que parece que nunca viram a serie.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s