The West Wing S1

Que The West Wing era uma série boa já toda a gente sabia. Até eu ouvi falar dela dos tempos em que dava a altas horas na sic, mas sinceramente, estar à espera horas infinitas para ver uma série sobre política americana não me atraía muito. Política em geral não é um tema interessante, e quem foi obrigada a escrever um relatório sobre o sistema eleitoral americano ainda lhe fica com mais pó. Mas enfim, é preciso dar o braço a torcer. Esta série é uma grande série.

Depois de ouvir certas pessoas a referirem a série até nos seus votos de casamento (you know who you are), resolvi arriscar e arranjar a primeira temporada. Mas com outras solicitações, foi ficando para trás, até ao fatídico dia em que descobri Studio 60 on the Sunset Strip e tive de ir conhecer mais do autor que estava por detrás dessa série excelente. E se em Studio 60 vemos um Sorkin que continua em grande forma, em The West Wing mostrava já o seu grande forte: histórias bem elaboradas, personagens fortes, grande casting (Martin Sheen é o Presidente dos EUA) e um sentido de comédia que nem todos possuem.

Em The West Wing assiste-se à vida na zona mais importante da Casa Branca: por entre manobras políticas, conferências de imprensa, jantares de negócios e embates contra a árvore do jardim, vamos ficando a conhecer não só as personagens mas também um pouco da história actual americana. Exemplo disso vê-se logo nos primeiros momentos da série, com o desenvolvimento da notícia do embate do presidente Bartlett contra a árvore, revisitando os mesmos eventos que se passaram com outro presidente americano.

Mas se a relação das histórias com a vida actual é excelente, o que mais surpreende nesta série é o seu sentido de comédia. Estando este geralmente a cargo das maravilhosas interacções entre Josh Lyman (Bradley Withford) e Donna Moss (Janel Moloney), é engraçado ver como mesmo nas situações mais estranhas conseguem fazer-nos rir. Da C.J. (Allison Janey) ao Sam (Rob Lowe), do Toby (Richard Schiff) ao Leo (John Spencer), todas as personagens conseguem ter diálogos magníficos, o que só prova que ainda há bons escritores.E depois de um final espectacular, não há como resistir e ir procurar spoilers para ver o que se vai passar a seguir. Deixarem uma pessoa assim não se faz. Enfim, resta-me dizer ao Z. que tem muito bom gosto nas séries que escolhe. E que deixem lá outras séries que já perderam a piada (GG, anyone) e dediquem-se mas é a acabar de ver esta.

Advertisements

4 thoughts on “The West Wing S1

  1. Mais uma que se converteu à Igreja de Sorkin, miuda tu estás no bom caminho, vais ser grande. Esta série está no meu top 3 de sempre, é um espectaculo, se achaste o final da s1 excelente espera pelos dois primeiros eps da season 2, brutalidade excelêntica.

  2. Só me falta a 7ª série (que já vi) para a ter nas caixinhas originais. As primeiras 4 séries são do melhor que se fez, faz e fará em tv. Os últimos dois episódios da 4ª série são excelentes, e uma boa supresa de Sorkin. Não seria o que estávamos à espera, nem em termos narrativos, nem em formato.
    Studio 60 é uma das minhas dores, com tanta série dispensável, de má qualidade, como deixer morrer Studio 60?
    Abraço

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s